• 10 agosto, 2017

    Blair – Rivka

    Unhas
  • 3 agosto, 2017

    Resenha Paleta de iluminador Luisance – Play The Highlight 2

    Resenha
  • 2 agosto, 2017

    Boticário celebra o melhor da relação entre pais e filhos e lança Malbec Play

    Beleza
  • A grande abertura da Bienal acontecerá no Auditório Mestres e Mestras da Cultura do Ceará, no Centro de Eventos, a partir das 18h30 desta sexta-feira, com cortejo de artistas e homenagem ao mestre Bule Bule, ao poeta e repentista Geraldo Amâncio e ao poeta popular Leandro Gomes de Barros (in memoriam), além do espetáculo de dança “Religare”, da Edisca. A XII Bienal Internacional do Livro do Ceará é realizada pela Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult), em parceria com o Instituto Dragão do Mar, e apresentada pelo Ministério da Cultura e pelo Bradesco. A programação tem início na sexta, 14/4, às 14h, e vai até o domingo, 23, no Centro de Eventos do Ceará e em múltiplos espaços de Fortaleza, com entrada franca em todas as atividades – inclusive na solenidade de abertura. Serão 10 dias de programação, 125 horas de atividades, com mais de 160 escritores, 300 convidados, 350 editoras e 110 estandes.

    Com o tema “Cada pessoa, um livro; o mundo, a biblioteca”, a XII edição da Bienal Internacional do Livro do Ceará, com o renomado escritor Lira Neto assinando a coordenação da curadoria, integrada também por Kelsen Bravos e Cleudene Aragão, traz uma programação que vai além do Centro de Eventos e chega a outros municípios como Caucaia e Redenção, incluindo encontros entre autores, palestras, mesas-redondas, conferências, oficinas, contações de histórias, lançamentos de livros e várias outras atividades. A palavra é o fio condutor do evento, aberto também a todos os meios e possibilidades, com o livro e para além dele. Uma programação democrática e de acesso gratuito, contemplando todos os públicos – infantil, juvenil e adulto – e inúmeros temas e áreas de interesse.

    Nesta sexta-feira, 14/4, dia de abertura, o início da programação será às 14 horas, com a abertura do Centro de Eventos do Ceará. Na Sala Literatura e Circo, haverá programação durante toda a tarde. Às 14 horas, o Projeto Pé de Livros recebe a Contação de Histórias de Elvis Jordan; às 15 horas, O Circo de Brinquedo, com Alex Ferreira; às 16 horas é a Hora do Autor, com “A Menina da Chuva”, de Bruno Paulino. Já às 17 horas, a criançada poderá conferir o Espetáculo “Vaca Lelé”, da Cia Bandeira Das Artes. Na Sala Multiplayer, os espaços Sesc Ciências, Secitece e Conferência de Ideias trarão exposições de desenhos animados, jogos digitais e muita troca de experiência entre o público, seus projetos, planos, vida, história. O público que for conferir a Bienal no dia de abertura também poderá conferir as exposições de Fósseis, Paisagem Cósmica e Robôs, na Sala Luz, que fechará a tarde, às 17 horas com a palestra “Preparando os Jovens do Futuro com Pesquisa”.

    A grande abertura da Bienal acontecerá no Auditório Mestres e Mestras da Cultura do Ceará, no Centro de Eventos, a partir das 18h30, com cortejo de artistas e homenagem ao mestre Bule Bule, ao poeta e repentista Geraldo Amâncio e ao poeta popular Leandro Gomes de Barros (in memoriam), além do espetáculo de dança “Religare”, da Edisca. Concluído o cortejo, todos estão convidados para a solenidade oficial de abertura da XII Bienal Internacional do Ceará, às 19 horas, no Auditório Mestres e Mestras da Cultura do Ceará, no Térreo, com a presença de autoridades e convidados.

    Referência nacional

    Referência no calendário cultural nacional, a XII Bienal Internacional do Livro do Ceará é um grande espaço de encontros entre diversos públicos e grandes autores e convidados do Ceará, do Brasil e do mundo, promovendo a reinvenção da vida por meio da arte, do conhecimento, da palavra em seus múltiplos meios e possibilidades. A Bienal é um momento de culminância da política estadual de livro, leitura, literatura e bibliotecas, de acordo com as diretrizes de democratização do acesso à cultura e à arte, valorização da produção cearense e diálogo com o Brasil e o mundo. Sempre com grande participação popular.

    A Bienal Internacional do Livro do Ceará, sob a coordenação geral de Mileide Flores, livreira e coordenadora de Políticas para o Livro, Leitura, Literatura, Bibliotecas e Acervos da Secult, mobiliza a atenção do mercado editorial de todo o País, que investe na exposição de seus principais lançamentos e incentiva a presença de celebridades literárias de renome nacional e internacional, para diálogo direto com o público cearense, ao longo de dez dias de evento, durante os quais são esperadas centenas de milhares de pessoas. Um grande encontro com foco no desenvolvimento da economia criativa do livro, na promoção da leitura, na formação de leitores e na amplitude e alcance de suas ações, por meio da Bienal fora da Bienal.

    O conjunto desses fatores coloca a Bienal Internacional do Livro do Ceará no calendário cultural entre as melhores e mais importantes feiras de livro no Brasil. Um sucesso consolidado ao longo de mais de duas décadas. Uma história que chega a XII Bienal com perspectivas de um encontro extremamente plural e intenso, antenado tanto com a sempre-valorização do livro quanto com todas as portas abertas pelos novos meios, tecnologias e aplicações. Um convite ao encontro e ao diálogo entre os vários protagonistas do grande volume da vida, que segue sendo escrito todos os dias.

    “A Bienal do Livro incorpora as dimensões cultural, educacional, social e econômica. É um evento de cunho cultural que democratiza o acesso ao livro. De cunho educacional, que forma leitores, que cria ambientes favoráveis para a formação de leitores”, destaca o secretário da Cultura do Estado do Ceará, Fabiano dos Santos Piúba.

    “É também uma Bienal com entrada franca em todas as atividades, tendo seu caráter de inclusão social, de cidadania cultural importante. E é uma Bienal de caráter econômico, no sentido de fomentar a cadeia produtiva do livro, tanto a nível nacional quanto a nível local”, complementa. “Nossa Bienal tem uma cara de ‘cearensidade’. Na sua programação, nas suas manifestações, o Ceará está sempre presente”.

    “Uma das melhores bienais de todos os tempos no Brasil”

    Um dos mais renomados escritores brasileiros da atualidade, com várias biografias premiadas e atualmente divulgando o primeiro volume de uma trilogia sobre o samba, Lira Neto, coordenador da Curadoria, aponta a satisfação dos autores do Ceará, do Brasil e de outros países, ao receberem o convite para a Bienal.

    “Todos eles mostraram muito entusiasmo com o tema e de imediato aceitaram participar. Tenho certeza que essa vai ser uma das melhores bienais de todos os tempos no Brasil”, afirma.

    Mais sobre os homenageados da abertura da Bienal

    Bule Bule – Um dos mestres da cultura popular nordestina mais renomados do Brasil. Figura emblemática da cultura popular, considerado o maior repentista da Bahia, também é cordelista, com mais de 100 títulos publicados. O reconhecimento pela sua arte como repentista, cordelista, sambador, tiraneiro, forrozeiro e brincante se deu em 2008, quando foi condecorado com a maior premiação brasileira para a Cultura, a Ordem do Mérito Cultural, do Ministério da Cultura.

    Geraldo Amâncio – Cantor, violeiro, poeta, escritor. Nascido no Cedro (CE), cursou faculdade de História e iniciou a sua carreira de repentista em 1963, participando de centenas de festivais em todo o país, tendo se classificado mais de 150 vezes em primeiro lugar.  Organizou festivais internacionais de repentistas e trovadores, além do Festival Patativa do Assaré.  É autor de três antologias sobre cantoria, gravou 15 CDs, além de ter publicado cordéis em livros, com destaque para o seu Cordel Livro, sobre Antônio Conselheiro e a chacina de Canudos.

    Leandro Gomes de Barros (in memoriam) – Paraibano nascido em 1865, é considerado o rei dos poetas populares do seu tempo. Sua atividade poética o obrigou a viajar bastante pelos sertões para divulgar e vender seus poemas. O que fez com que fosse um dos poucos poetas populares a viver unicamente de suas histórias rimadas, sobre todos os temas, sempre com muito senso de humor. Câmara Cascudo o descreve como “caboclo entroncado, de bigode espesso, alegre, bom contador de anedotas”, em Vaqueiros e Cantadores. Na crônica intitulada Leandro, O Poeta, publicada no Jornal do Brasil em 1976, Carlos Drummond de Andrade o chamou de “Príncipe dos Poetas”. Faleceu em 4 de março de 1918, no Recife.

    Bienal: coordenação e curadoria

    Coordenação geral
    Maria do Socorro Sampaio Flores (Mileide Flores) – Coordenadora de Políticas do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas, da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult), desde março de 2015. Militante da Política do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas desde 1998.

    Os curadores

    Lira Neto – (Coordenador da Curadoria) – Jornalista, escritor e biógrafo. Quatro vezes Prêmio Jabuti de Literatura, foi também agraciado com o prêmio da Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA), sempre na categoria Biografia. Em 2015 e 2016, como writer-in-residence, ministrou aulas e proferiu palestras no Middlebury College, em Vermont, EUA. Tem onze livros publicados entre os quais a trilogia sobre a vida de Getúlio (Companhia das Letras); Padre Cícero: poder, fé e guerra no sertão. (Companhia das Letras, 2009); Maysa; só numa multidão de amores (Globo, 2007); O inimigo do rei: uma biografia de José de Alencar (Globo, 2006).

    Cleudene Aragão – Escritora, professora e pesquisadora. Doutora em Filologia Hispánica, pela Universitat de Barcelona, Professora de Literatura Espanhola, Pesquisadora em Letramento Literário e Ensino de Línguas, Presidente da Câmara de Arte e Cultura da Uece – ARTECULT, Coordenadora da Política do Livro e Acervo da Secult de 2003 a 2005 e curadora e coordenadora das VI e VII Bienais Internacionais do Livro do Ceará (2004 e 2006).

    Kelsen Bravos – Escritor, professor, editor, consultor na área do Livro, Leitura, Literatura e Cultura Digital. Da Bienal Internacional do Livro do Ceará, foi coordenador do Espaço  Infantil em 2006 e Curador das edições de 2012 e 2014, quando coordenou também o Espaço Infantil. Vice-presidente da Câmara Cearense do Livro de 2010 a 2012. Conselheiro no Conselho Municipal de Política Cultural-Literatura (2010-2012) e do Colegiado Setorial de Livro, Leitura e Literatura do Conselho Nacional de Política Cultural – CNPC/MinC (2010-2012 e 2013-2014). Tem publicados onze livros, todos direcionados à infância.

    Coordenadores de espaços temáticos
    •Alan Mendonça – Café Literário
    •Alênio Noronha Alencar e Dane de Jade – Encontro Roda de Saberes dos Mestres e Mestras da Cultura
    •Andrea Vasconcelos – Espaço Circo
    •Carlos Macedo e Marcio Porto – Espaço Fortaleza Boêmia
    •Kelsen Bravos – Espaço Infantil
    •Klévisson Viana – Espaço Cordel
    •Rafael Limaverde e Eduardo Azevedo – Espaço de Ilustradores
    •Régis Freitas – Espaço Juventude

    Coordenadores de Encontros
    •Aparecida Lavor – VIII Encontro do Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas Municipais e Bibliotecas Comunitárias
    •Carlos Emílio Correa Lima – III Encontro de Periódicos Literários Brasileiros
    •Nixon Araújo – Encontro de Oralidade & Escritas em Língua Portuguesa
    •Norma Santana e Maura Isidoro – VII Encontro dos Agentes de Leitura do Ceará
    •Sarah Diva – III Salão do Professor
    •Tino Freitas – Encontro de Mediação de Leituras: Da oralidade ao livro na mão
    •Vânia Vasconcelos – Encontro Letra de Mulher, Novas Páginas

    SERVIÇO:
    ABERTURA da XII Bienal Internacional do Livro do Ceará
    Sexta-feira, 14/4/2017
    Abertura do Centro de Eventos do Ceará e início da programação: 14h
    Cortejo e solenidade de abertura: 18h30
    *A partir do sábado, 15/4, o horário da Bienal será das 9 horas até às 22 horas
    Entrada franca em todas as atividades, sem necessidade de retirada prévia de ingresso.

    Morgana – Sancion Angel

    Etaaa que hoje eu vim com esmalte polêmico (é polêmica velha mas a gente gosta mesmo assim tá)!

    Antes de mostrar o esmalte quero dizer que essa marca nem existe mais, eles pararam de fabricar já tem um bom tempo desde que descobriram a farsa por trás dos esmaltes, portanto não estou promovendo ninguém aqui. Não compraria mais nada deles se ainda estivessem no mercado, mas como comprei antes de saber cá estou eu fazendo jus ao meu dinheirinho e usando ele sim (no lixo que não vou jogar né), e como disse, é coisa de anos atrás, portanto não me julguem, ok!

    Então vamos lá que a marca é trambiqueira mais o esmalte até que é bonito.

    esmalte-angel-holografico-02Morgana – 2 Camadas

    Esse é o Morgana da falecida Sancion Angel, na foto ele está com duas camadas e sem extra brilho. O esmalte é uma delícia de passar, ele seca bem rápido e fica com o brilho ok, o pincel é do comum mesmo porque na época ainda não existia o flat, pelo menos não por aqui. Adoro esse tom de azul céu, acho fofo e delicado, e amei ele nas unhas.

    A questão é que esse esmalte era para ser holográfico, segundo a marca eles foram os primeiros a trazer esse efeito para o Brasil, porém não trouxeram foi nada, porque esse esmalte está muito longe de ser aquele holográfico com prisma que a gente ama. Mas, na época, até que ele conseguiu deixar a mulherada enlouquecida querendo o bendito (lembro de ter pago uns R$10,00 nele).

    esmalte-angel-holografico-04 esmalte-angel-holografico-03

    Tirei essas duas fotos na luz do sol (tímido nesse dia) e nenhum sinal do tão desejado efeito, é um esmalte com algum pigmento diferente dos comuns mas que também não chega a ter o pigmento holográfico na composição, fica bonito mas não é o esperado, na sombra ou no sol ele fica do mesmo jeito.

    Logo depois desses holotrágicos, outras marcas nacionais começaram a vender o tão esperado holográfico real oficial que nós tanto queríamos (o Atena da Hits que já postei por aqui é um exemplo disso).

    esmalte-angel-holografico-01

    E claro, como eu sei que quem não conhece a história toda da marca deve estar se perguntando o que houve, vou contar bem resumido só para vocês terem uma ideia de como é o mercado hoje em dia.

    A Sancion Angel além dos holográficos, lançou uma linha de esmaltes magnéticos (lembram do tão amado esmalte da Bruna Marquezine? então, eram iguais a esse). Como tudo demora mais para chegar ao Brasil e a mulherada estava surtada vendo fotos das gringas usando o tal esmalte, eles resolveram inovar e lançar primeiro por aqui, uma marca nova no mercado que já chegou com os lançamentos mais bafônicos do momento. Eis que eles lançam o produto no mercado e fazem sim o maior sucesso. Resumo do resumo: eles vendiam esmaltes magnéticos e imãs importados como se fossem deles! Colocavam o rótulo deles por cima do original e vendiam como se fosse mérito deles a inovação do produto. Isso mesmo que vocês leram, pasmem! Óbvio que não demorou muito para isso vir à tona e desbancar a marca de vez, tanto que após isso explodir eles sumiram do mercado do mesmo jeito que apareceram: do nada. Muito fácil uma marca se lançar no mercado intitulando-se inovadora e pioneira, o difícil é manter a farsa por muito tempo né. Esse tipo de empresa deve ter o pensamento de que o consumidor final do seu produto é alienado, que compra por simplesmente estar na moda, mas comigo não. Não se deixe enganar por essas empresas, merecemos mais do que isso!

    E essa foi a tão comentada farsa da Sancion Angel (se você lembra disso tudo toca aqui!).

    Por hoje é isso meninas, espero que tenham gostado (eu sempre adoro um barraco alheio) e até a próxima!

     

    Design, qualidade, preço justo e sustentabilidade estão entre os valores e posicionamento estratégico da Pointer – indústria alagoana pertencente ao Portobello Grupo –, que apresentou na manhã desta quinta-feira (30), a coleção ‘Morada Brasileira: Cotidiano’, no Quality Hotel Fortaleza, em Meireles. Com uma produção aproximada de 1.600 metros ao mês, a empresa, que já lançou no mercado 45 produtos em 2017, mostrou seus pontos fortes, diferenciais e estratégias para crescer em um cenário competitivo com o pensamento na necessidade de investimento estratégico, aposta em inovação e preocupação em conexão digital.

    “Para termos capilaridade, investimos o que for necessário e um exemplo disso é um estudo que estamos fazendo agora para a criação de dois centros logísticos na região. Este estudo inicialmente envolve os estados da Bahia e do Ceará, que são dois grandes mercados e que representam, respectivamente, 30% do Nordeste, pois precisamos estar nesses mercados e precisamos estar locados nessas praças”, revela o superintendente Comercial da Pointer, Ernani Albuquerque.

    Com essa nova investida, será possível ampliar as ações com menor gasto, acessibilidade para o público-alvo, o consumidor nordestino, e com valor em conta para popularizar uma das suas principais metas: democratização do design para o consumidor padrão. Assim, a produção que alcança 18 milhões terá maior capacidade de vazão no mercado do Nordeste, cobrindo de uma ponta a outra da região e reforçando as vantagens de investimentos realizados na indústria, sediada em Marechal Deodoro, Alagoas.

    “Estamos investindo onde é necessário investir mais, fazendo consultoria, exportando mais e fortalecendo em design com o pensamento de que sejam alternativas viáveis, atrelados aos valores que defendemos. Hoje, sem dúvida, o parque fabril da Pointer em Alagoas é o mais moderno na América Latina e não tem nada com este apelo em tecnologia, por exemplo, no mercado”, enfatiza Albuquerque.

    Para tanto, a empresa não dorme no ponto e investe próximo de R$ 5 milhões em marketing. Contudo, não há como mensurar os investimentos com o lançamento de produtos, por exemplo. Estes são muito complexos dentro da estratégia de ação da Pointer que trabalha com a perspectiva de ampliação de suas linhas que estão consolidadas no mercado, de acordo com a necessidade, num processo cíclico e que varia de acordo com a demanda e a percepção de absorção de novidades em produtos do próprio mercado.

    Foto Davi Farias

    E é com esta visão que a Pointer mostrou a nova coleção para arquitetos e formadores de opinião, com destaque para um showroom com as novidades que já estão nos principais pontos de venda de atacado da construção com a expectativa de atingir uma parcela significativa do mercado cearense, ampliando de forma estratégica sua presença entre os consumidores nordestinos. Tudo isso tem sido desenvolvido com a crença de que o trabalho é a força motriz para contribuir para um mercado forte, estimulando assim possibilidades e oportunidades para o segmento.

    Foto Davi Farias

    SOBRE A NOVA COLEÇÃO – Inspirada nas origens das casas brasileiras, a ‘Morada Brasileira: Cotidiano’ traz novamente a dobradinha Marcelo Rosenbaum e Paulo Biacchi, de O Fetiche, que incrementam a linha Raízes. Ao todo são quatro novas opções de ladrilhos. A linha foi lançada em 2016 e teve os produtos Azul Céu, Mar e Terra como vencedores na categoria Construção na 30ª edição do prêmio Design do Museu da Casa Brasileira. Mas a coleção ‘Morada Brasileira: Cotidiano’ apresenta muitas outras novidades. Destaque para as novas linhas Piasentina, inspirada na tradicional pedra das calçadas de Roma, e Concreta, que traz a grande tendência da arquitetura contemporânea, o cimento brilhante dos produtos Urbana, que aparecem em três diferentes tonalidades.


    A linha Decora, que faz os detalhes serem capazes de transformar e dar vida aos ambientes, ganha novidades: os modelos Diamante Puro e Diamante Multicolor com relevos que trazem a modernidade dos efeitos 3D para dentro de casa. As madeiras não poderiam ficar de fora. Por isso a linha Lenho ganha novos produtos, como Nativa Pátina e Nativa Aroeira.

    Assim, a arquitetura moderna brasileira com sua azulejaria e linhas geométricas é destacada pela Pointer em sua coleção Morada Brasileira: Cotidiano, com pinceladas do design nórdico com suas linhas retas, além da filosofia e minimalismo japoneses, resultando em simplicidade, beleza, agilidade, personalidade e identidade.

    SOBRE O PORTOBELLO GRUPO – A Portobello, marca líder em revestimentos cerâmicos no Brasil, e a Pointer, nova marca do segmento com unidade fabril em Maceió (AL), voltada ao mercado do Nordeste, fazem parte do Portobello Grupo. As duas marcas juntas empregam mais de 3.000 colaboradores e produzem 50 milhões de metros quadrados ao ano e, mesmo tendo posicionamentos e públicos diferentes, compartilham valores como inovação, sustentabilidade e design. Com proposta de design democrático, a fábrica Pointer é a mais moderna e sustentável do país, projetada para produzir revestimentos diferenciados de forma competitiva. A Portobello Shop, maior rede de lojas do segmento no Brasil, com mais de 140 lojas, próprias e franqueadas, e posicionamento voltado aos profissionais de arquitetura e decoração, é o principal canal de vendas da marca Portobello, que distribui também através das revendas multimarcas, vendas diretas às grandes obras e construtoras e exportação para os cinco continentes. O Portobello Grupo traz a confiabilidade e o know how da marca Portobello para a expansão dos negócios iniciada em 2015.

    Mais informações sobre a coleção ‘Morada Brasileira: Cotidiano – com um olhar contemporâneo’, reescrevemos nossa história, no site www.pointer.com.br.

    Batom Roxo Impulso da Eudora

    Hoje trouxe um batom bem inverno, o Roxo Impulso da Eudora. Essa linha Soul Kiss Me tem um preço bem acessível e tem cores lindíssimas.

    Eu sou a louca do roxo, tenho muitos batons nessa cor em vários tons. Esse ano é que tenho usado um pouco menos que no ano passado. Essa linha Soul também é maravilhosa, é a queridinha de muita gente, é fácil de encontrar e o preço é bem amigo.


    O batom tem 3,5g. A embalagem é ótima, resistente, tem uma tampinha transparente que dá pra visualizar a cor do batom. A aplicação dele também é boa, só é legal estar com os lábios bem hidratados para não acumular e espalhar certinho.


    Passei várias vezes no canto da minha mão pra mostrar mais de perto a cor, ele é bem escuro, porém se não quiser esse tom é só da batidinhas com os dedos que ele fica mais claro.

    ♥LOJA VIVA MARIE
    www.vivamarie.com.br
    @vivamarie

    Look do dia: Cropped com paetê nas mangas

    Essa onda de paetê nas mangas está com tudo. No mês passado fiz um look de um blusão com paêtes foscos nas mangas, era tão larga a blusa que dei um nó pra elas ficar mais curta. Já o look de hoje usei uma blusa curtinha, preta, com paetês brilhosos. Tenho encontrado essas blusas na Riachuelo, acho muito street style e amo. Como a blusa é curta, prefiro usar com algo mais alto em baixo, então escolhi uma saia lápis jeans, que também já fiz look aqui com ela usando uma blusa por dentro.





    ♥PEÇAS USADAS NO LOOK

    Blusa cropped Riachuelo
    Saia lápis Handara
    Sandália Amiclubwer
    Bolsa Petit Jolie

    ME SIGA NO INSTAGRAM @IVNACASTRO

    Ilustrações: Livia Beltran - Design e programação: sara silva